Dr. Ricardo Martello fala sobre iniciativas para doação de órgãos e prevenção de AVC


No Especial F5 desta semana vamos falar de dois assuntos de grande importância: Doação de Órgãos e AVC. Os temas são muito comuns no cotidiano das pessoas, porém ainda despertam muitas dúvidas. Para esclarecer e divulgar as iniciativas já realizadas no município, convidamos o Neurologista e Coordenador do Pronto Socorro do Hospital de Clínicas Nossa Senhora da Conceição, Dr. Ricardo Martello.


Doação de Órgãos:


O município de Três Rios até o ano de 2010 não realizava esse procedimento, porém, ao ingressar no HCNSC, Dr. Ricardo buscou pela implantação do serviço, pois já tinha essa experiência de suas especializações em São Paulo e vendo a demanda de atendimento do Hospital, percebeu que havia potencial para esse trabalho na região. “O primeiro caso foi em 2010, de lá pra cá já foram mais de 50 captações, mais de 100 pacientes com diagnóstico com morte cerebral. Hoje Três Rios está entre as 10 cidades do Estado do RJ em captação, passando na frente de Volta Redonda, Petrópolis e Barra Mansa, que são municípios bem maiores”, afirmou o médico.


Atualmente é realizado treinamento mensal sobre doação de órgãos com todas equipes do HCNSC, da equipe da lavanderia, cozinha até aos profissionais da área da saúde. Convidamos também líderes religiosos a participar das palestras educacionais do tema, só nesse ano de 2018 já foram realizadas sete captações. De acordo com o médico, quanto mais cedo se decide pela doação, maior a capacidade de proveito dos órgãos, pois o processo é rigoroso, e tem que cumprir várias etapas.


Como é feita?


Para realização das doações existe uma Central de Transplantes do Estado. A central faz a regulação de todas as doações, captações e o transplante dos órgãos efetivamente. Existe uma lista estadual, e cada órgão tem a sua prioridade, por critérios de gravidade e tempo de lista. “O órgão é que se desloca. Por isso que a logística é importante. Quanto antes a gente conseguir agilizar esse processo, e essa captação é feita o mais breve possível, o órgão consegue chegar em melhor estado de conservação para ser implantado. Existe toda uma cadeia logística, e importante frisar que essa lista é igual para todo mundo, regulada pelo SUS”, explicou.

Os médicos notificam uma Central Estadual de Transplante e essa central coordena todo o processo, essa fila é 100% SUS, não existe no Brasil a possibilidade de realizar isso em clínica particular.


A regra hoje que os interessados em serem doadores comuniquem sua vontade à família. Mesmo que a pessoa registre seu desejo em cartório ou tenha a carteirinha, se a família não aceitar, o processo não é feito. Porém, em 90% dos casos a família respeita a decisão da pessoa que faleceu, por isso, é importante que o assunto seja falado nas famílias.


“Esse trabalho não é remunerado, é algo que eu faço por amor nas minhas horas vagas, estou aberto a ir em colégios, fábricas e outros ambientes para esclarecer as pessoas em suas dúvidas sobre a doação de órgãos” afirmou  Dr. Ricardo Martello.


AVC (Acidente Vascular Cerebral)


O AVC é a doença que mais mata no Brasil, porém seu tratamento vem evoluindo muito, antigamente não haviam muitas possibilidades, a pessoa que sofria um AVC ficava com sequelas graves.


O tratamento do AVC é multidisciplinar, além do neurologista, o paciente passa por profissionais de fisioterapia, fonoaudiologia, enfermagem entre outros. O tratamento avançou muito com os recursos tecnológicos dos últimos anos, foram surgindo terapias que fizeram um importante  desfecho do paciente de AVC.


É uma das poucas doenças que tem cinco tratamentos com nível 1A de evidência. Quando a pessoa tem um AVC, o risco dela ter novamente outro AVC em um ano é de aproximadamente 50%, por isso a importância das campanhas de prevenção, porque 90% das doenças que potencialmente levam as pessoas terem AVC são preveníveis, como hipertensão arterial, arritmias cardíacas, doenças autoimunes, asteroclerose, doenças infecciosas, entre outras, mas uma das principais causas é o stress, que não é um fator de risco direto, mas faz com que faz que a pressão suba e leva a pessoa ter um AVC hemorrágico.


“Gostaria de me colocar a disposição de quem queira agendar alguma visita em escolas, empresas e outros trabalhos de divulgação destes assuntos: email:drkkmartello@yahoo.com.br finalizou o neurologista Ricardo Martello





Tags: saúde avc doação de órgãos transplante acidente vascular cerebral tratamento neurolgia

140 visualizações0 comentário